Londres pela primeira vez

Se eu estivesse indo a Londres pela primeira vez, o que eu gostaria que me recomendassem?

Londres é uma cidade incrível, cheia de coisas para fazer e lugares para conhecer. A capital da Inglaterra tem programações para todos os gostos e estilos, por isso acho que vale a pena pesquisar bastante e montar seu próprio roteiro, de acordo com seus principais interesses. Dos pontos turísticos mais famosos, como o Big Ben, passando pelos bairros de feirinhas alternativas e até às programações mais culturais, como museus e galerias, as opções são muitas. Para simplificar, hoje vou começar com sugestões dos lugares que eu acho que são os pontos mais fotogênicos da cidade, e vou provar tudo com minhas próprias fotos! hehe

1. O Big Ben

Esse, com certeza, é o mais famoso de todos! O “Big Ben”, é o sino do relógio que fica na “Elizabeth Tower”, a torre que faz parte do Parlamento, e que continuou de pé mesmo após os bombardeios da segunda guerra, e, detalhe, o relógio não parou de funcionar por um segundo. Não se sabe ao certo de onde veio esse nome, mas uma das possibilidades é que seja uma referência a um boxeador inglês peso pesado chamado Benjamin Caunt.

DSC_0035

O Parlamento inglês e o Big Ben.

Para chegar ao Big Ben, basta seguir algum grupo de chineses descer na estação de Westminster, que fica bem de frente para o relógio.

2. London Eye

A roda gigante mais famosa do mundo, com 120 metros de diâmetro e 135 metros de altura no total, possui 32 “casinhas” e é, provavelmente, o local de onde se tem uma das mais belas vistas de Londres. Digo ‘provavelmente’, pois NUNCA cheguei a subir na roda gigante, já que deixei para fazer todas as coisas de turista na última semana antes de voltar para o Brasil e dei o azar inimaginável de cair bem na semana em que a London Eye estaria fechada #chora 😥

London Eye.

London Eye.

Então, vai um conselho: pesquise antes no site da London Eye e verifique o funcionamento no período de sua viagem, para não correr o risco de ela estar em manutenção. Para chegar à London Eye, basta chegar à mesma estação do Big Ben e atravessar a Ponte de Westminster (o melhor ponto para fotografar as atrações à beira do Tâmisa).

3. Tower Bridge

A ponte fica próxima à Torre de Londres e na vizinhança daqueles prédios modernos de vidro altíssimos e modernos da “City of London”, que é o centro financeiro e comercial da cidade. A ponte é daquele tipo que abre para cima quando vai passar alguma embarcação muito alta. Tem como entrar na ponte para ver uma exposição lá, mas eu não sei quanto custa e nem o que tem de bom para ser visto.

DSC_0004

Tower Bridge.

DSC_0011

Tower Bridge.

Para visitar a ponte é só chegar à estação de metrô Tower Hill e passar pela Torre de Londres.

4. Palácio de Buckingham

Outro lugar para encontrar chineses. O palácio não é lá dos mais bonitos, mas todo mundo gosta de ir conhecer, por ser a residência oficial da rainha Elizabeth, e também para ver a cerimônia de troca da guarda, que acontece todos os dias pela manhã. Em alguns períodos do ano o palácio fica aberto para visitação, mas é no período em que a rainha está fora curtindo as férias, para não correr o risco de ninguém cruzar com a rainha nos corredores e roubar suas jóias, sequestrá-la ou algo do tipo.

Palácio de Buckingham.

Palácio de Buckingham.

Para chegar ao Palácio, há algumas opções de estações de metrô, como Victoria, Hyde Park Corner e Green Park, mas, para mim, o melhor caminho é descer em St. James’s Park e ir caminhando pelo parque até chegar ao palácio.

5. St. James’s Park

Este faz parte de um conjunto de parques reais de Londres, dos quais esse é o mais bonitinho de todos. O parque tem uma variedade de animais que ficam soltos por lá e que gostam de interagir com os turistas, como os pelicanos exibidos e os esquilinhos que ficam esperando ganhar comida. O mais bonito do parque é a vista da London Eye e do estábulo da rainha ao longe.

Pelicanos em St. James's Park.

Pelicanos em St. James’s Park.

Lago do St. James's Park.

Lago do St. James’s Park.

Esquilinho pedindo comida.

Esquilinho pedindo comida.

6. Estábulo da Rainha

O estábulo é o local onde ficam guardados os cavalos (oooh!) da guarda real. Para quem morre de vontade de tirar fotos dos soldadinhos de chumbo da rainha, esse é o lugar perfeito. Mas, cuidado, pois se dizem que eles não se mexem nunca, quando eu estava lá um menino besta foi mexer em um dos cavalos guardados e o soldado virou com tudo pra cima dele e deu grito no ouvido do menino que ele deve ter se urinado completamente.

Estábulo da Rainha

Estábulo da Rainha

Soldado da Guarda Real.

Soldado da Guarda Real.

Soldado "keep out!"

Soldado “keep out!”

7. Oxford Street

A rua que é a perdição dos turistas. Na Oxford Street ficam as grandes lojas tipo Zara, John Lewis, H&M, etc. A Oxford St. está sempre cheia nos horários comerciais e volta e meia tem alguém fazendo alguma arte pra ganhar uns trocados, como rodinhas de hiphop, truques de mágica, etc. Em datas especiais e períodos festivos a rua ganha decorações especiais.

Oxford Street.

Oxford Street.

Oxford Circus e Bond Street são as estações de metrô mais próximas da Oxford Street.

8. Kensington Gardens

Mais um dos parques reais de Londres, esse é o jardim do Palácio de Kensington, que esteve fechado durante algum tempo e agora já está aberto para visitação. O Palácio foi residência da famosa Princesa Diana e seus filhinhos William e Harry. Há um memorial em homenagem à princesa em Hyde Park, que fica ao lado do Kensington Gardens (nem sei quando começa um e termina o outro). Em frente ao Palácio tem um lago com vários cisnes tão grandes que dá até medo de chegar perto.

Londres 06-02-2013 065

Kensington Palace.

DSC_0957

Rainha Victória.

A estação de metrô mais próxima é Bayswater.

9. Greenwich Park

Sabe o meridiano de Greenwich, do qual tanto ouvimos falar lá pela 5a ou 6a série no colégio? Então, é lá no Greenwich Park que ele fica. A linha que divide o mundo em ocidente e oriente, e a partir da qual são definidos os fusos horários está desenhada lá em Greenwich, no Royal Observatory. Antes de chegar ao parque, vale a pena dar um passeio pela Universidade de Greenwich, que fica à beira do Tâmisa e tem uma vista linda para a City.

O parque tem uma colina onde fica o observatório, onde é preciso pagar para entrar e ver o desenho do meridiano. Ao lado do parque fica um museu de astronomia de entrada gratuita e muito interessante para adultos e crianças, todo interativo e tecnológico, vale a visita.

DSC_0257

Greenwich Park. A Universidade de Greenwich lá em baixo e a City ao fundo.

O parque fica no limite da zona 2, e é preciso pegar o DLR, que é um tipo diferente de metrô. Da primeira vez que fui ao parque, não levei em consideração o tempo que demora para chegar até aquele lado da cidade, e quando cheguei lá já eram 17h e pouca (que no inverno já é noite), e estava tudo escuro. Quando nos aproximamos do parque, que não tem nenhuma iluminação noturna, pois fecha por volta das 18h, vimos um feixe de luz verde bem forte que cruzava o céu. Brincamos que aquele era o meridiano, rimos e fomos embora. No dia seguinte, depois de uma pesquisa despretensiosa, descobrimos que é mesmo o meridiano de Greenwich!

A estação mais próxima é a de Greenwich. A viagem no DLR é como no metrô, só que pelo alto, e passa por uma Londres bem diferente do que o que a gente costuma ver no roteiro tradicional, o que é bem interessante.

———–

Então é isso, essa é a listinha dos lugares que quem está indo à Londres pela primeira vez não pode deixar de conhecer e fotografar. Tem ainda a Londres para quem gosta de museu e para quem é alternativo, mas dessa parte eu falo depois, vamos por etapas! hehe

Beijos!

Lenita 🙂

Anúncios

Viajando de trem pela Itália

Acredito que de todos os países europeus, a Itália é aquele no qual a maioria das pessoas vai para conhecer mais do que uma cidade. Geralmente quem vai à Inglaterra se contenta em conhecer apenas Londres e vai embora. Quem vai à França, vai apenas para conhecer Paris e pronto. Mas quem vai à Itália não fica satisfeito com Roma e o coliseu, quer ir também a Pisa para ver a torre, quer conhecer a Ponte Vechio em Florença, o Duomo de Milão, a romântica cidade de Veneza, e por aí vai…

PhotoGrid_1393193909118

Itália!

Um dos meios mais práticos para se deslocar entre as cidades italianas é utilizando os trens. Foi o que fiz na minha última viagem, conheci a Itália viajando de trem. Fiz de trem somente os trechos Milão-Veneza e Veneza-Florença, e vou contar um pouco de como foi e explicar mais ou menos como comprar os tickets pelo site da trenitália, que foi o que eu usei.

Primeiramente, se o seu roteiro já está bem definido, vale a pena comprar as passagens com antecedência. Diferente de como funciona na Inglaterra, onde as passagens vão ficando muito mais caras quando você compra em cima da hora, as passagens de trem da Itália tem o preço fixo, independente de quando você as compre. MAS existem algumas modalidades de tarifas, como a base, econômica e super econômica, e à medida que você atrasa a sua compra, as passagens mais baratas vão acabando, então, sim, é melhor comprar o quanto antes possível.

Para fazer a compra, é preciso ir até o site da trenitália e fazer a busca pelo trecho desejado. O site não tem versão em português, somente italiano e inglês mesmo. Obviamente, é preciso saber o nome das cidades em italiano, então não faça como eu e se desespere sem encontrar trens para “Florença”, porque você não vai achar 😉

Site da Trenitalia.

Site da Trenitalia.

Para algumas cidades, há mais de uma opção de estação final, então pesquise antes no google qual a estação do centro da cidade (ou a mais próxima do local de sua estadia) para não acabar comprando a passagem errada. Antes de clicar para dar início à pesquisa, não esqueça de marcar a caixa “find the best price”, para que o site te mostre o melhor preço do dia (geralmente a opção super economy).

O site tem algumas opções de ofertas, como ofertas para famílias com crianças, ofertas para grupos grandes, ofertas para bate-volta e até ofertas para viagens aos sábados, então é bom dar uma olhada antes, ver se alguma dessas ofertas pode ser aproveitada e ler todas as condições antes de fazer a sua escolha.

Após a compra, você receberá o seu comprovante de pagamento e o ticket por e-mail. O ticket deve ser impresso para ser mostrado ao carinha da empresa que vai, durante a viagem, de vagão em vagão, conferindo os bilhetes de todos. Antes de viajar, fique ligado em sua caixa de e-mail, para o caso de alguma alteração no itinerário, e imprima todo e qualquer e-mail que eles te enviarem, para evitar desentendimentos.

empoli_stazione_ritardi_tabellone

Painel na estação de trem (foto da internet).

No dia da viagem o procedimento é simples: quando chegar à estação, procure o painel com os horários dos trens, e lembre-se de buscar o seu pelo horário de saída e o nome da sua estação de destino. Provavelmente não haverão catracas nem ninguém para checar o seu bilhete na entrada, então simplesmente vá até o trem, procure seu assento e lá pelo meio da viagem algum funcionário vai aparecer para conferir as suas passagens.

As duas viagens que fiz foram bem tranquilas. Os trens são bastante confortáveis, com poltronas boas e uma mesa na frente com tomada para carregador de celular e laptop (tudo isso na 2a classe, super econômica). Além disso, os trens tem wifi grátis 🙂

Beijos!

Lenita

Veneza, a “più bella” da Itália.

Cheguei à estação de Santa Lucia pela manhã e quando saí pela porta, estava cercada de água. Tinha chegado em Veneza. Bem à minha frente estava o Canal Grande, o maior e mais extenso dos canais de Veneza. Na entrada da estação ficam os taxis aquáticos, que na verdade são barcos motorizados, e por ali também passa o vaporetto, que também é um barco motorizado só que grande, como se fosse um ônibus. Preferimos andar até o hostel. Provavelmente gastamos o dobro do tempo necessário para chegar até lá, porque não tinha como não parar em cada ponte para curtir a paisagem, e em cada ruela para tirar umas fotos. A cidade é simplesmente muito bonita, não tem como andar apressado sem querer olhar tudo com calma e registrar cada detalhe.

DSC_0242

Entrada da estação de Santa Lucia, à direita. No canto, o “ponto de ônibus” e o vaporetto  chegando no meio do canal.

E fomos andando, mochila pesada nas costas e câmera pendurada no pescoço, nos perdendo e nos encontrando pelo labirinto de ruas estreitas de Veneza. Subimos ponte, descemos ponte, pelo meio das lojinhas e restaurantes simples, nos perdemos e nos achamos umas 50 vezes. A cidade me lembrou muito Marrakesh, só que bem menos bagunçada e talvez ainda mais agradável por conta disso.

Finalmente chegamos ao hostel – na descrição dizia que era um Bed&Breakfast, mas sem breakfast, ou seja, hostel. O lugar era muito bom, por sinal, localização excelente, uma vista linda pela janela, banheiros chiquezinhos, quartos organizados, etc. Um dos melhores em que já me hospedei (Venice Hazel, recomendo). O segredo para pegar uma boa localização em Veneza é escolher um local próximo à praça San Marco, que é a praça principal da cidade. Tivemos apenas uma surpresa bem desagradável que foi a cobrança de uma taxa para a utilização de roupas de cama (como se algum mochileiro fosse viajar carregando lençol, fronha, cobertor e travesseiro nas costas), mas a qualidade da estadia acabou compensando esse detalhe. Além disso, assim como em outras cidades da Itália é obrigatório o pagamento de uma taxa diária de alojamento para a prefeitura, que não lembro quanto custa, mas é algo em torno de 1 euro ou 2.

Antes de conhecer Veneza eu não conseguia imaginar como parecia e funcionava uma cidade que tem água pelo meio. Primeiramente, a parte de Veneza que a gente conhece e vê na tv não é tudo. Veneza possui uma parte em terra firme chamada Mestre, que é o centro administrativo e a parte mais populosa, apesar de meio desconhecida. As duas partes são interligadas pela Ponte Della Libertà. E quanto a Veneza ilha, bem, lá não circulam carros, apenas barcos. As ambulâncias são lanchas, a polícia e os bombeiros circulam em lanchas e lá tem o “barco do lixo” (ficamos praticamente 4 dias na cidade e vimos tudo isso). Ao longo do Canal Grande encontram-se vários pontos de ônibus por onde o vaporetto passa. O vaporetto possui várias rotas, incluindo também ilhas e ilhotas vizinhas, mas não passa pelos demais canais, que são mais estreitos. Entre os canais pequenos circulam os barcos particulares e as gôndolas.

DSC_0529

“Ambulanza”

DSC_0282

Gondoleiros e gôndolas estacionadas.

Veneza é uma cidade cara. A viagem que fiz foi em dezembro, mas mesmo sendo baixa temporada o preço de tudo estava bem elevado. O transporte em Veneza é o mais caro de todas as cidades que já visitei, e a alimentação também tem um custo muito alto. A tática para economizar é procurar pelas pizzarias delivery onde se pode comer uma boa pizza por um preço baixo. Muitos restaurantes cobram uma taxa somente para sentar e utilizar a mesa, e mais outra taxa pelo serviço do local. Geralmente essa taxa está escrita no menu do lado de fora, mas é bom perguntar assim mesmo, para não acabar pagando mais caro no final.

Apesar de pequena, Veneza tem muuita coisa para se conhecer. Começando pelas muitas igrejas. Veneza tem mais de 120 delas, umas bem diferentes das outras e todas lindas. A maior de todas é a igreja de Santa Maria della Salute, construída na época em que a cidade estava sendo devastada pela praga, como uma espécie de oferta para que o povo ficasse livre das doenças.

Basílica de Santa Maria della Salute

Basílica de Santa Maria della Salute, Veneza.

Basílica de Santa Maria della Salute.

Basílica de Santa Maria della Salute.

E se a quantidade de igrejas já é bem grande, imaginem só o número de pontes: mais de 400! E a mais famosa é a Ponte Rialto, que fica sobre o Canal Grande. A ponte abriga várias lojinhas e é o portão de entrada para o Mercado Rialto, onde se pode encontrar as famosas máscaras de carnaval de Veneza. É o ponto perfeito em Veneza para tirar fotos do canal e dos barcos indo e vindo.

Ponte Rialto

Ponte Rialto

Mercado Rialto, Veneza.

Mercado Rialto, Veneza.

Vista da Ponte Rialto.

Vista da Ponte Rialto.

A segunda ponte mais famosa de Veneza é bem menorzinha, mas igualmente linda, e foi projetada pelo sobrinho do cara que projetou a Ponte Rialto, a Ponte dos Suspiros.

DSC_0485

Ponte dos Suspiros, Veneza.

A Ponte dos Suspiros liga o Palácio Ducale à Prisão da cidade. A ponte era justamente por onde passavam aqueles que foram condenados em julgamento no Palácio, em direção à prisão, ou seja, onde eles veriam a cidade pela última vez antes de serem presos, daí o nome.

O Palácio Ducale foi construído como um símbolo da riquesa de Veneza, e possui um estilo bem próprio veneziano, que pode ser encontrado em muitas das outras principais construções da cidade (como na maioria dos grandes hotéis, com janelas de arcos góticos e um estilo meio árabe). Hoje abriga um museu, onde se pode visitar também a Ponte dos Suspiros e a prisão.

Palácio Ducale, Veneza.

Palácio Ducale, Veneza.

O palácio fica na Piazza San Marco, onde fica também a Basílica de San Marco, que estava em restauração, e também a Campanilha de San marco e a Torre do Relógio, que tem dois carinhas de metal que batem o sino a cada hora fechada.

Campanilha de San Marco

Campanilha de San Marco

Torre do Relógio, Veneza.

Torre do Relógio, Veneza.

Praça San Marco

Praça San Marco

Quando a gente está em Veneza, olhando aquelas gôndolas passeando pra lá e pra cá, não tem como não ficar com vontade de fazer o passeio pelos canais. Pelas minhas pesquisas, o valor do passeio era 100 euros, o que eu achei muito caro e por isso fiquei um pouco desanimada. De qualquer forma, como estávamos em 4, poderíamos dividir a gôndola e aí o preço já ficaria melhor, então não descartamos completemente a idéia, mas fomos conhecendo outros lugares e meio que deixando pra lá. Mas aí uma hora lá no finalzinho da tarde passamos por uns gondoleiros e um deles veio perguntar se a gente queria o serviço. Passamos direto (nos fizemos de difíceis, hehe) e aí ele falou que já tava no final do expediente, e nos ofereceu o passeio por 60 euros. Claro que aceitamos!

E valeu muuuito a pena! Foi bem do jeito que eu queria, o gondoleiro estava usando a roupinha listrada, ele contou algumas histórias pra gente, cantou, assoviou e ainda fez o favor de fazer cara de modelo na hora que eu “discretamente” tirava fotos dele, hehe.

DSC_0762

O gondoleiro, Rafael e eu.

O passeio é muito legal, dá pra ver a cidade de um ângulo completamente diferente, passar por debaixo das pontes e ouvir as histórias, é uma coisa de filme mesmo. Recomendo muito. Gravei um pedacinho do passeio mas ficou um pouco escuro pois já estava anoitecendo. De qualquer forma, achei que seria legal compartilhar aqui:

E assim se encerrou nossa viagem a Veneza. Além disso, ainda tivemos tempo para visitar algumas ilhas próximas à cidade, mas isso já é assunto para um próximo post :).

DSC_0745

Ciao Venezia!

Beijos!

Lenita

Um dia em Milão

A última viagem que fiz durante o intercâmbio foi um mochilão pela Itália, começando por Milão. Teria apenas um dia para conhecer tudo e no dia seguinte já seguiria de trem para outras cidades, então já fomos seguindo meio que um roteiro em sequência (roteiro perfeito para um dia, montado por uma amiga também intercambista que está morando lá, pra que melhor, né? :)).

Começamos pelo Castello Sforzesco, que é um castelo que abriga vários museus em seu interior, e que também possui um jardim lindíssimo na parte de trás. A entrada no castelo é gratuita mas para visitar os museus é preciso comprar o ticket, que não me lembro quanto custa.

DSC_0002

Castelo Sforzesco, Milão.

Jardim do Castelo

Jardim do castelo

Castelo Sforzesco.

Castelo Sforzesco

Quando saímos do castelo, tinha uma muvuca das grandes do lado de fora, a “Babbo Running”, que é a corrida do Papai Noel. Simplesmente a rua principal estava lotada de pessoas loucas, todas fantasiadas de Papai Noel, e prontas para saírem correndo pelas ruas. No site do evento diz que mais de 10 mil pessoas apareceram fantasiadas para correr.

Babbo Running

Babbo Running e os 10 mil doidos na frente do castelo (foto do site do evento).

Quando conseguímos sair do meio do ataque de papais noéis, fomos direto ao que nos interessava mais em Milão: O Duomo. A praça do Duomo estava muuuito cheia de gente. Turistas de todos os locais fotografando aquela catedral linda e imponente, riquíssima em detalhes por dentro e por fora. Antes mesmo de entrar eu já estava bem impressionada com a catedral e aí, quando eu entrei, tinha uma orquestra tocando lá dentro, acompanhando o coral da igreja. Foi muito emocionante, lindo mesmo.

Duomo di Milano

Duomo di Milano

Detalhes do Duomo.

Detalhes do Duomo.

DSC_0148

Coral durante a missa na catedral

Também de frente para a Piazza del Duomo fica a Galleria Vittorio Emanuele II, onde ficam as grifes mais conhecidas (onde as chinesas compram Prada com o troco da merenda) e também alguns cafés e restaurantes. Próximo à galeria fica a sorveteria famosa, conhecida como a que tem o melhor gelatto de Milão, a Cioccolati Italiani. O lugar fica tão cheio que é necessário pegar senha, mas até que não demora e o sorvete é mesmo muito gostoso.

Galleria Vittorio Emanuele II

Galleria Vittorio Emanuele II

Gelatto!

Gelatto! (atenção especial para a torneira de chocolate *o*)

Essa foi a nossa programação durante o dia. Quando anoiteceu, fomos curtir Milão como os locais, no Naviglio Grande, que é um dos canais construídos como caminhos de transporte de pessoas e mercadorias (inclusive sendo utilizados para carregar o mármore da construção do Duomo), mas que cairam em desuso, sendo substituídos por automóveis. Hoje em dia, na beira do canal ficam vários restaurantes interessantes e as pessoas circulam por ali de noite. Fomos em um restaurante bem legal e que na verdade é um barco! O melhor de tudo era o modo como funcionava: a gente paga 10 euros e escolhe alguma bebida, que pode ser uma taça de vinho, cerveja, algum drink, etc, e depois pode comer o quanto quiser do buffet, que inclui vários petiscos e até pizza. Ao que parece, muitos dos restaurantes/bares de lá funcionam nesse esquema. O nome do bar que eu fui era Flamba.

20131214_193237

Naviglio Grande, Milão.

Depois de comer toda a comida possível, fomos embora nos preparar para a viagem do dia seguinte: Veneza!

Beijos!

Lenita

Sintra, a vila mais charmosa de Portugal

Bem pertinho de Lisboa fica Sintra, uma vila lindíssima e cheia de construções históricas, cada uma representando algum período da história e todas muito bem conservadas. O local já foi dominado por romanos, muçulmanos e espanhóis, e por isso cada um de seus palácios e castelos possui características bem diferenciadas.

Entre as principais atrações da vila está o Palácio da Pena, uma das sete maravilhas de Portugal, e que inicialmente era um convento dedicado a Nossa Senhora da Pena. O palácio fica bem no alto da serra (que é muuito alta e é difícil/demorado de subir andando) e tem um parque enorme em volta dele, com jardins, lagos e animaizinhos.

DSC_0382

Palácio da Pena, Sintra.

DSC_0398

Palácio da Pena, Sintra.

DSC_0462

Palácio da Pena, Sintra.

DSC_0589

Parque do Palácio da Pena, Sintra.

DSC_0601

Parque do Palácio da Pena, Sintra.

Palácio da Pena, Sintra.

Palácio da Pena, Sintra.

Os ingressos podem ser comprados na bilheteria do palácio mesmo, e os tickets para adultos (em 2013) custam 6 euros, somente para entrar no parque (o que já vale muuuito) e 11 euros para entrar no parque+palácio. Como geralmente as visitas a Sintra são de um dia só, se estiver com pressa para ir aos outros palácios também, eu recomendaria visitar somente o parque mesmo, que para mim é o mais bonito.

A uma distância caminhável do Palácio da Pena está o Castelo dos Mouros. O castelo, construído no período do domínio muçulmano na região, também fica no alto da serra, em uma localização estratégica de onde se tem uma visão do Palácio da Pena, do Palácio da Regaleira e também do Palácio Nacional. O castelo não possui ambientes interiores, como salas ou quartos, mas somente a fortificação exterior.

DSC_0619

Castelo dos Mouros, Sintra

DSC_0636

Castelo dos Mouros, Sintra.

DSC_0638

Castelo dos Mouros, Sintra.

É incrível pensar que esse castelo foi construído há mais de mil anos atrás e ainda hoje podemos passear por dentro da muralha e subir as escadas até o ponto mais alto. O castelo tinha o objetivo de vigiar a cidade de Lisboa, e não Sintra, mas no fim das contas não deu muito certo pros mouros e eles foram vencidos de qualquer jeito.

O Castelo dos Mouros e o Palácio da Pena foram as duas atrações que visitei, mas Sintra tem muitos outros parques e palácio igualmente lindos e que valem muito a visita, como por exemplo a Quinta da Regaleira e o Palácio de Monserrate. Para quem pretende visitar mais de uma atração é bom comprar tudo junto pois tem desconto. Os preços das atrações e os horários de funcionamento podem ser encontrados nesse site.

Para circular pelas atrações da cidade existem ônibus que percorrem os circuitos turísticos, passando pelos parques e que você pode descer e pegar ele novamente quantas vezes quiser durante o dia (hop on-hop off). O que eu peguei, por exemplo, custou 5 euros, e foi o que circula pelo circuito da Pena, passando também pelo Castelo dos Mouros. Poderia ter pego ele quantas vezes quisesse no dia usando o mesmo bilhete. Esse ônibus é da cidade mesmo, não é aquele vermelho de empresa de turismo, que é mais caro (se você não se importar com o aperto e a muvuca dentro do ônibus, vale dar uma economizada). As tarifas e rotas podem ser encontradas nesse site.

Como lá em cima tem poucas ou quase nenhuma opção de locais para comer, quem não quiser perder tempo descendo novamente para a vila somente para almoçar, eu aconselho levar sua própria farofa e fazer uma pausa para merendar em um dos parques mesmo. Ah, e também é bom usar sapatos confortáveis e levar sua garrafinha de água. E prepare a câmera para o local mais fotogênico de Portugal!

E para chegar a Sintra a partir de Lisboa a opção mais prática é pegar o trem na estação de trem (muito linda!) do Rossio e pegar o “comboio” para Sintra mesmo. O trem é rápido, bem confortável e tem uma periodicidade boa. Não lembro quanto custou, mas acho que era menos que 3 euros o bilhete. Descendo na estação de Sintra, é só andar um pouco e já se encontra a vila.

Beijos!

Lenita

Meu reveillon em Londres

HAPPY NEW YEAR! ÊEEEEEH!

DSC_0091

Reveillon 2014, Londres.

Depois de passar 12 meses vivendo e sofrendo nessa Inglaterra, nada fazia mais sentido do que comemorar a virada de ano e iniciar 2014 por aqui mesmo. Essa foi uma das poucas vezes que passei o reveillon longe da praia, mas nem por isso deixou de ser especial. Pra falar a verdade, no Brasil é que a gente sabe como comemorar a virada. Vestir roupa branca, se arrumar, virar a noite comemorando o ano novo…tudo coisa nossa.

Meu ano novo em Londres foi maravilhoso, mas só teve mesmo 10 minutos de glamour, que foi durante a queima de fogos. Fora isso, foi chuva e espera no meio da muvuca. Pegamos o trem e fomos para Londres na tarde do dia 31 mesmo. Chegamos lá ainda cedo, então fomos passear em alguns lugares que ainda não conhecíamos, já andando em direção ao Tâmisa.

Eu tinha pesquisado bastante sobre como era o esquema de assistir aos fogos, e por isso já sabia que não tinha jeito, se quisesse garantir um lugar legal à beira do rio, teria que chegar lá bem cedo. Pois bem, por volta das 17h, paramos tudo o que estávamos fazendo e já fomos logo andando para as proximidades de Westminster. E foi quando começaram as aventuras do reveillon 2014:

Primeiramente, muitas das ruas que dão acesso às áreas dos fogos ficam interditadas pela polícia, por questões de segurança. Fomos andando sempre em direção à entrada seguinte e…OPA! Interditada. E assim foi, até que finalmente encontramos um caminho liberado. Fomos andando, andando e o caminho já estava cheio de gente. Quando chegamos à beira do rio, às 17:50h, já estava cheio!

Mas, calma, estava cheio mas ainda tinha muito espaço, era só ir chegando, se esquivando entre um e outro e deu pra conseguir um lugar bem legal, bem de frente para a London Eye e também atrás somente de pessoas não muito altas, o que é muito importante pra mim, hehe.

Pronto, uma vez que tinhamos encontrado o nosso spot, era só ficar quetinho e aguardar. Faltavam ainda 6h para a virada e o momento mágico dos fogos. 15 minutos depois eu já estava morrendo de tédio, tentando me controlar para não olhar no relógio de 5 em 5 minutos. Vou descrever melhor o cenário da espera: Algumas pessoas não queriam muito ficar no aperto, mas também faziam questão de ter uma visão boa do “show”, por isso elas ficavam mais afastadas da borda, no meio da rua, sentadas no chão com seus amigos conversando e bebendo de boa. Já outras pareciam estar ali desde muito cedo, coladas na grade de retenção, com várias merendas e farofas, algumas de pé, outras sentadas no chão em grupos (teve um cara que dormiu no meu pé por várias horas, e só acordou quando jogaram uns bagulhos na cabeça dele).

As primeiras duas horas foram um martírio. Um tédio extremo. Mas aí, por volta das 20h a coisa começou a mudar. Primeiro jogaram um sonzão lá, o pessoal começou a ficar animado, os indianos perto da gente começaram a cantar e de vez em quando o DJ da “festa” falava umas coisas, mandava a gente gritar, etc.

O “New years eve” desse ano foi patrocinado pela Vodafone, e tinha um tema “multisensorial”. Eles jogaram umas bolsinhas de plástico pra galera toda, e lá dentro tinham docinhos coloridos *.* que era a parte do “taste”. Aí do nada eles jogaram a projeção de um morango gigantesco em um prédio ao lado da London Eye e mandaram a gente gritar. Quanto mais a gente gritava, o morango ia enchendo, enchendo, até que ele explodiu, e aí soltaram umas fumacinhas com cheirinho de morango! Eu sei, muita palhaçada, mas pra quem estava em pé durante muito tempo, morrendo de tédio e a todo momento contando todas as cabines da London Eye para garantir que nenhuma delas tinha sumido desde os últimos 10 minutos, aquilo foi o máximo!

Banana no prédio: O MÁXIMO!

Banana no prédio: O MÁXIMO!

Depois o prefeito apareceu também, em uma mensagem gravada na projeção, falou várias coisas que ninguém entendeu e depois se mandou. E aí depois eles botaram uns vídeos, fizeram mais umas coisas e de repente faltavam somente 30 minutos! uhuuuu!

E foi aí que começou a chover. Choveu mesmo, choveu FORTE. Não vou dizer que foi uma decepção total pra mim e meus babyliss, afinal de contas eu tinha levado minha sombrinha porque era Londres, né. E aí, que a hora foi se aproximando e nada de a chuva parar. Aí começou a contagem e ainda estava chovendo, mais fraco, mas chuva ainda. Mas ninguém quis saber, todo mundo estava ali há horas! “Abaixem os guarda-chuvas!” Eu tratei logo de guardar o meu. Não quis molhar a câmera, mas passei o meu celular para Rafael (que tem muitos centimetros de altura em vantagem) filmar tudo, e contei: 5, 4, 3, 2, 1…

Ok, não vou ficar descrevendo fogos aqui. Mas foi uma coisa extravagante e única. Não sei qual foi a bruxaria que eles fizeram, mas parecia que os fogos saíam da roda gigante, tudo bem simétrico e sincronizado com as badaladas do Big Ben. Foi lindo demais.

Reveillon 2014, Londres.

Reveillon 2014, Londres.

Reveillon 2014, Londres.

Reveillon 2014, Londres.

E aí pronto, acabaram os fogos, acabou a festa. Todo mundo juntou seus trapos e se mandou. O DJ ainda implorava, “fiquem mais!”, “não vão agora”, conselho da organização para que as pessoas não fossem todas pegar o metrô de uma vez só e evitar confusões na estação. Enfim, a multidão toda se dispersou muito rapidamente e eu fiquei livre para tirar minhas fotinhas no Tâmisa 🙂

Dicas aleatórias para quem for passar o reveillon em Londres:

1. Chegue cedo se quiser pegar um lugar bem na frente, e se não se importar, chegue ao menos antes das 21h, pois, uma vez que as áreas de vizualização dos fogos estão cheias, a polícia fecha todas as entradas e quem ficar do lado de fora, ficou. Eu cheguei antes das 18h, mas tiveram amigos meus que chegaram depois das 19h e conseguiram lugares bons, e outros que chegaram depois das 20h e conseguiram ao menos entrar na área de vizualização e ver os fogos.

2. Leve sua água e comida, pois não tem ambulante vendendo churrasquinho, nem “5 piriguete por 4 real” não. Ao contrário dos outros dias do ano, na véspera é permitido beber nas ruas, mas teoricamente é proibído andar com garrafas de vidro (todo mundo ao meu redor estava com garrafas de vidro sem problemas).

3. Nas proximidades do rio são colocados vários banheiros químicos de uso gratuito.

4. Somente na madrugada entre os dias 31 e 01 o transporte público é totalmente gratuito, a partir das 23:45 às 4:30h. As estações ficam bem lotadas antes das 2 da manhã (e algumas estações fecham), com longas filas para entrar, então é bom esperar um pouco antes de voltar para casa.

5. Se for cedo, carregue o celular e vá mentalmente preparado para o téeeedio sem fim, haha!

Novamente: Feliz ano novo para todos, e que 2014 seja um ano de muitas emoções!

Beijos!

Lenita

O que há de mais bonito em Porto.

Planejando conhecer “Purrrtugal”?

Vou começar esse post com algumas dicas de palavras que eles usam por lá e que podem causar confusão na cabeça da gente. Se eu tivesse pesquisado alguma coisa assim antes de viajar, teria sido mais fácil pra mim 🙂 então, lá vai:

Se quiser tomar um suco em Portugal, tem que pedir um sumo.

Para se movimentar pela cidade, ao invés de ônibus, se pega o autocarro. Ao invés de bonde, se pega o elétrico. E ao invés de um trem, se pega o comboio.

Se quiser saber onde fica o banheiro, tem que perguntar pela casa de banho.

pequeno almoço nada mais é que o nosso café-da-manhã.

E o almoço do meio-dia lá se chama grande almoço. Mentira.

Fiz essa viagem no início do mês passado e já estava bem frio. Confesso que estava esperando passar um calorzinho e até levei na mala roupas mais frescas mas elas ficaram todas bem escondidinhas por baixo dos casacos. O casacão que usaria somente para ir e voltar do UK foi a minha farda obrigatória de todos os dias. Decepção.

Em compensação, fez sol o tempo todo, o que fez parecer que a cidade era ainda mais bonita.

Porto não é tão colorida quanto Lisboa, mas eu achei ainda mais bonita. Porto tem azulejo nas paredes das igrejas e na estação de São Bento. Porto parece maior, mais espaçosa, mais desenvolvida. Porto tem o Douro, o rio que fica dourado ao entardecer. Porto tem Gaia à sua frente, onde ficam as caves dos famosos vinhos do Porto. Do que vi de Portugal, gostei mais de Porto.

E vou começar pela parte mais encantadora da cidade, a região da Ribeira.

Ribeira, Porto.

Ribeira, Porto.

DSC_0125

Ribeira, Porto.

Foi lá que Portugal começou, à beira do rio Douro. A Ribeira é uma região muito antiga, de casas velhas e vizinhos que se conhecem. O lugar legal para ter uma bela vista da Ribeira é na ponte Luís I. De um lado da ponte, Porto, e do outro lado Gaia, uma outra cidade. Os autênticos vinhos do Porto ficam armazenados em Gaia. Basta atravessar a ponte e encontrar a mina de ouro.

A ponte D. Luís I também é conhecida como simplesmente ponte Luís I, pois diz-se que o rei resolveu não comparecer à cerimônia de inauguração da ponte que levava seu nome, portanto os portuenses resolveram tirar o “dom” do nome da ponte. Rá.

Outro ponto com uma vista encantadora é o Pátio da Sé, onde fica, adivinhem só, a Sé do Porto.

Pátio da Sé, Porto.

Pátio da Sé, Porto.

Você sabe de onde veio a palavra “azulejo”? Vem do fato de que quando os portugueses chegaram à Índia, somente eles de toda a Europa tiveram acesso à uma tinta de coloração azul. Essa ficou sendo a marca de portugal, a cerâmica pintada com tinta azul. É possível ver os azulejos nas paredes de algumas igrejas e também no interior da lindíssima estação de São Bento.

Igreja decorada com azuleijos.

Igreja decorada com azulejos.

Estação de São Bento por dentro.

Estação de São Bento por dentro.

Estação de São Bento por fora.

Estação de São Bento por fora.

Isso foi o que vi no primeiro dia. De noite fomos em um barzinho bem legal chamado Museu D’avó, cheio de pestiscos portugueses gostosos e que tem uma decoração bem inusitada, parecendo mais um quintal velho cheio de tranqueiras (daí o nome). E mais tarde ainda fomos passear pela cidade e acabamos cruzando com alguns pedintes meio agressivos pelas ruas (aconteceu ao menos umas 3 vezes) e achamos melhor não voltar para “casa” muito tarde.

No nosso último dia atravessamos a ponte D Luís e fomos conhecer Vila Nova de Gaia. Aqui abro um parêntese: No dia anterior, fizemos um walking tour (ironicamente, em inglês mesmo) e a guia só chegou ao ponto de encontro uns 20 minutos depois do horário. Enquanto falava sobre o jeito português de ser, ela citou a questão de não respeitarem horários e estarem sempre atrasados, o que foi motivo de risos entre o pessoal, obviamente.

Pois bem, tinha olhado os horários de funcionamento das caves que queria conhecer e vi que todas ofereciam o tour a partir das 10 da manhã. Chegamos à Krohn por volta das 10:15h e estava tudo vazio. A porta estava aberta. Entramos, circulamos pelo local, fizemos o nosso próprio tour lendo as plaquinhas e explicações e só depois apareceu um rapaz, dizendo que o tour ainda não ia começar, pois o guia ainda não tinha chegado, mas que a gente podia subir para fazer a prova quando quiséssemos. Ok. Terminamos lá em baixo e subimos, fizemos a prova e depois fomos embora. Essa empresa oferece os tours com a prova no final gratuitamente.

Cave Krohn

Cave Krohn

DSC_0255

Cave Krohn

Fomos então conhecer a outra cave, a da Ferreirinha. A Ferreirinha foi uma mulher que veio de uma família rica e precisou assumir as vinhas da família em uma época em que a coisa não era fácil para as mulheres. Ela soube administrar tudo sozinha, cuidou das dívidas, fez investimentos e gerou muitos empregos na região em uma época de grandes dificuldades, e por isso se tornou uma pessoa muito querida entre os portuenses.

Chegamos à cave e, novamente um atraso, o tour só seria feito a partir das 11:30! Decidimos esperar mesmo. E valeu a pena. O tour foi bem legal, conhecemos todo o local e tivemos explicações sobre os tipos de vinhos, onde são armazenados, quais os cuidados necessários, etc. No final, fizemos a prova (de novo, hehehe). Não lembro exatamente quanto custou, mas foi algo em torno de 5 euros.

Cave Ferreirinha

Cave Ferreirinha

Barrilzão

Barrilzão

A melhor parte :)

A melhor parte 🙂

Quando terminamos, atravessamos a ponte e fomos em busca de algum lugar legal para comer. Finalmente provamos o tão comentado bacalhau com natas, que é muuito bom! Encontramos um restaurante chamado Farol da Boa Nova, que tem uma vista linda bem de frente para o Douro e o preço é bom. Outra comida típica de Porto, mas que tá mais pra lanche, é esse poço delicioso de gordura aqui:

Francesinha

Francesinha

A Francesinha. É tipo um misto, só que com linguiças e carne/frango, queijo por fora e regado em um molho de tomate.

E pra finalizar, uma dica de onde ficar em Porto: O melhor hostel da vida, limpíssimo e bem confortável. O nome é Pilot Hostel. Escolhi ele porque era tipo o mais barato da lista e me surpreendi com a qualidade.

Então é isso,

Beijos!

Lenita